sexta-feira , 19 outubro 2018
Home / Colunas/Artigos/Esportes / A crônica de Clovis Medeiros: É possível confiar nas pessoas?

A crônica de Clovis Medeiros: É possível confiar nas pessoas?

É difícil confiar nas pessoas   

             Mas ás vezes é preciso! O paciente acaba de ser anestesiado, o medicamento começa a fazer efeito mas ainda uma faísca de lucidez lhe permite pensar: será que esse cirurgião é confiável? Eu, por exemplo, só me deixo levar para uma sala de cirurgia se for o Dr. Hélio a me operar, caso contrário esperneio e fujo de qualquer jeito. Afinal, já se disse que, em situações de emergência, o mais prático é pensar com as duas pernas.

                Tem aquela situação em que tu demorou sessenta anos para fazer uma viagem de avião e ao embarcar começa a pensar: será que esse piloto é experiente, terá prática, habilidade suficiente para me levar tão longe daqui, a dez mil metros de altura? Não é passível de cometer um erro humano? Será que essa caixa não vai descer como um prego e se espatifar aqui embaixo?

                É difícil saber se uma pessoa é confiável ou não. Como saber? Se sabe, me conta porque eu não sei. Alguns dizem, de forma simplista, que somente a convivência, ao longo do tempo, nos leva ao conhecimento do caráter, do “modus vivendi” daquela pessoa. Se age de acordo com o que diz. Assim mesmo conheci vermes tão dissimulados que enganam a própria mãe. Lembrei de um artigo que li em que o autor comparava amigos falsos com frutas podres. Algumas delas apresentam aspectos agradáveis, cheiro que dá prazer aos sentidos, no entanto, cuidado ao morder, pois podem conter larvas, ou ovos de insetos. Tomem cuidado quando forem comer goiabas, guabirobas, araçás. Assim são os falsos amigos. São podres por dentro e ás vezes, por fora. Aliás, não existem “falsos amigos”. Ou são amigos ou não. Uma postura desagradável que não pode ser confundida com falsidade é o caso de pessoas que se comportam de maneira diferente, dependendo da ocasião. São os bipolares. Ora estão alegres contigo, te abraçam quando te encontram, em outros momentos de esnobam, alternam bom humor com irritação. Também não me servem. No entanto devemos deixar claro que a Bipolaridade é uma doença de ordem psiquiátrica, enquanto que a soberba e a falsidade são defeitos de caráter, de ordem moral.

                Já mordi frutas podres e o gosto é repugnante. Hoje procuro me certificar da qualidade do que vou comer. Com a vida é parecido. Há poucos dias aconteceu numa propriedade minha, em São Francisco de Assis, um ”abigeato”, roubo de gado. Pois a Polícia descobriu que o autor foi, o homem de minha  confiança, a pessoa  responsável por cuidar do gado. Uma das coisas mais nojentas é a traição. Nunca confie demais em ninguém. Só acredite em si mesmo. Acreditar cegamente e descobrir uma sabotagem é profundamente traumático. O que escrevi pode parecer abstrato e irrevelevante. Longe de mim a pretensão de dar conselhos. Mas é dever de quem escreve não silenciar diante do que ouve, vê, vivencia. Vá que alguém tire proveito!

                O tema é complexo. Gosto disso. Me arrisco a escrever mesmo sem possuir as virtudes evidentes que meus leitores merecem: clareza, sapiência, capacidade de escrever com lucidez, sem torturar as regras de pontuação, acentuação, ortografia, sem dispor de recursos de retórica. Como diria o Gilmar Mendes: peço vênia a todos. Até a próxima quarta feira.

                Clóvis Medeirosclovis

Comentários

comments

Veja Também

43531119_2286789121350668_6050780828894494720_n

Taça Futsal Tucunduva/Sicredi/Tchê Farmácias entre na reta final. Finalistas do torneio feminino já estão definidos

Na noite desta segunda-feira, dia 8 de Outubro, foram conhecidos os primeiros finalistas da Taça ...