quarta-feira , 13 novembro 2019
Home / NOTICIAS / PF faz operação contra Unick Forex por pirâmide financeira

PF faz operação contra Unick Forex por pirâmide financeira

Polícia Federal deflagrou hoje a Operação Lamanai, que tem como alvo a empresa Unick Forex. Com sede em São Leopoldo, ela é acusada de montar um esquema de pirâmide financeira. A empresa dizia ter mais de um milhão de clientes, atraídos pela promessa de dobrar o capital em seis meses e ainda ganhar comissão com a indicação de outros investidores. Segundo informações da Polícia Federal do Rio Grande do Sul, a investigação tem o apoio da Receita Federal e identificou captações que chegaram a 40 milhões de reais por dia pela organização criminosa, que parou de pagar os investidores em agosto deste ano. A empresa chegou a contratar no início de outubro um escritório de advocacia para negociar acordos para pagamentos aos clientes, o Nelson Wilians & Advogados Associados.

A Unick tinha sede também em Belize, paraíso fiscal na América Central, e dizia ter uma terceira empresa que garantia os investimentos e que era proprietária de um terreno para loteamento em Goiás. Nas últimas semanas, o presidente e fundador da Unick, Leidimar Lopes, estava enviando vídeos e comunicados da sede de Belize. Leidimar criou a Unick usando o mesmo CNPJ e endereço de outra empresa, a Phoner, de venda de produtos, que também era suspeita de atuar como pirâmide. O ex-Trapalhões Dedé Santana e a ex-Balão Mágico Simoni foram usados como garotos-propaganda da Unick.

A operação envolve 200 agentunickes e deve cumprir 10 mandados de prisão e 65 ordens de busca e apreensão em Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo, Caxias do Sul, Curitiba, Bragança Paulista, Palmas e Brasília. Segundo a Rádio Gaúcha, nove pessoas já haviam sido presas às 8 horas da manhã. A PF investigava desde janeiro a empresa, que prometia ganhos de 100% em seis meses para os investidores, e que segundo o inquérito atuava como pirâmide financeira. Segundo a PF, a captação de recursos estava estruturada em formato conhecido como de “pirâmide financeira”, em que os novos investidores subsidiam os pagamentos de remuneração daqueles que já aplicaram recursos há mais tempo.

A organização já havia sido notificada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para que se abstivesse de tais práticas não autorizadas, mas seguiu atuando e teve expedida uma ordem de parada de operações (stop order), que também foi ignorada. A CVM divulgou três alertas ao mercado, o último destacando indícios de pirâmide financeira nas ofertas da Unick, e abriu um processo administrativo sancionador, que prevê punições aos responsáveis, mas a empresa alegou que não oferecia investimentos e por isso não estaria sujeita à fiscalização da autarquia.

Ao longo da investigação se evidenciaram outras práticas criminosas como a aquisição de moedas virtuais para remeter ao exterior, em supostos atos de evasão de divisas, assim como crimes de lavagem de dinheiro, entre outros, segundo a PF.

Incapaz de honrar os pagamentos de saques, a empresa passou a anunciar em agosto seguidos processos de reestruturação de seu sistema, alegando problemas com o crescimento do número de clientes, e depois afirmou ter sido lesada por um golpe que teria desviado R$ 1 bilhão de suas contas. Em todos os momentos, porém, Leidimar e seus diretores alegavam que enfrentavam apenas problemas operacionais, frutos do “sucesso” da Unick, que eram vítimas de calúnias e conspirações, até da própria CVM, e que voltariam a crescer como antes, incentivando os investidores a captarem mais clientes para a plataforma. “Quem viver, verá”, gostava de proclamar o diretor de marketing da companhia, Danter Silva, ao fim dos vídeos voltadas para os investidores nas redes sociais. Agora é possível ver claramente o que realmente estava acontecendo: e o que se vê não é nada bom, com centenas de milhares de investidores que perderam suas economias.

Informações Exame Abril

 

Como funcionava a Unick Forex

A Unick Forex dizia operar no mercado Forex e de Criptomoedas. Através de suas operações, a empresa prometia retornos de até 1,5% ao dia. Em março de 2018, a empresa sofreu a primeira retaliação por parte da CVM, que a proibiu de ofertar investimentos no Brasil. A empresa continuou a operar normalmente mas, em 2019, tentou mudar o foco do esquema para despistar as autoridades.

Com a troca de nome de Unick Forex para Unick Academy, a empresa começou a focar numa espécie de venda de pacotes educativos, que não passava de fachada para que o esquema de pirâmide financeira continuasse. Os investidores, por sua vez, começaram a ter problemas em junho deste ano, quando os saques começaram a atrasar. Com novas desculpas a cada semana e informações desencontradas, a Unick tentava ganhar tempo e enrolar os clientes. Nos meses seguintes, a empresa acumulou milhares de reclamações no Reclame aqui além de dezenas de processos por todo o Brasil.

Para amenizar os problemas, a Unick contratou o escritório Nelson Wilians & Advogados Associados para propor acordo com os clientes. O acordo, no entanto, propõe restituição de apenas 20% do investido.

Os responsáveis pela empresa, Leidimar Lopes e Danter Silva, já são velhos conhecidos no mercado brasileiro. Leidimar foi fundador da Phoner, uma outra pirâmide financeira que deixou milhares de investidores na mão. Danter também teve um passado similar, onde consta como réu em um processo acusado de captar clientes para um golpe ponzi chamado D9.

 

Comentários

comments

Veja Também

63 -

Novo Machado teve mais de R$ 2 milhões em investimentos provenientes de emendas em 3 anos

A Administração Municipal de Novo Machado publicou na semana que passou, uma lista com emendas ...