6.24°C Tuparendi

Audiência Pública debateu pesca do Dourado e Surubim no Rio Uruguai

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
audiencia-publica-debateu-pesca-do-dourado-e-surubim-no-rio-uruguai

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Pesca e Cooperativismo da Assembleia Legislativa realizou, esta semana uma  audiência pública para debater a proibição da pesca das espécies Dourado e Surubim na Bacia hidrográfica do Rio Uruguai. O debate foi proposto pelo deputado Paparico Bacchi (PL), também coordenador do evento em conjunto com o presidente do Colegiado, deputado Adolfo Brito (PP).

As duas espécies constam na lista anexada ao decreto estadual 41672/2002, que trata da vulnerabilidade da fauna existente no Rio Grande do Sul. A proibição traz drástica consequência a atividade pesqueira no Rio Uruguai, prejudicando a sobrevivência de pescadores localizados na região do rio Uruguai.

Em abril deste ano, o deputado Paparico Bacchi encaminhou pedido à Casa Civil do Governo do Estado para que fosse viabilizado estudo sobre a vulnerabilidade das espécies. “Não é possível que em 20 anos não se tenha uma solução para o problema que atinge centenas de pescadores”, disse.

O deputado Capitão Macedo (PSL) defendeu a urgente volta da pesca artesanal no rio. “Já passou a hora de revisar a legislação. Essas duas espécies deixaram de estar em vulnerabilidade faz muito tempo”, afirmou.

.O representante da Secretaria Estadual da Agricultura, Ricardo Nuncio, admitiu que desde 2014, o estado não realizou nenhum estudo de reavaliação das espécies em extinção da fauna existente no Estado. Ele argumentou que a falta de recursos e que a extinção da Fundação Zoobotânica contribuíram para tanto. Ricardo, entre outros fatores, aponta a existência de hidroelétricas no Rio Uruguai como causadora da alteração ambiental. “A contenção das águas não permite a migração do Dourado através da Bacia Hidrográfica prejudicando sua reprodução”, salientou.

O representante do Ministério Público Estadual, Daniel Martini, reiterou que a liberação de determinadas atividades pesqueiras com segurança dependem de estudos para adoção de um plano de ordenamento pesqueiro. Ele informou que no Ministério Público existe recursos, através do Fundo de bens lesados, que estão à disposição para este fim.

O representante da secretária de Meio Ambiente, Mateus Leal, disse que já está indicado o grupo técnico para atualização da lista de espécies em extinção no estado. Ele considera que além do barramento, outras causas prejudicam a sobrevivência dos peixes. Entre elas Mateus citou a qualidade das águas,  fragmentação do meio ambiente e o baixo jovem das águas do rio.

Encaminhamentos

Ao final do debate, o deputado Paparico Bacchi apresentou os encaminhamentos da audiência. Ele ressaltou que vai cobrar do governo do Estado a agilização da apresentação do plano pesqueiro do estado para conquistar a liberação da pesca, não colocando em risco o equilíbrio ambiental e a vulnerabilidade das espécies.

Informações Agência de Notícias A/L

 

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter

últimas notícias

veja também

Leave A Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Shopping Basket