21.85°C Tuparendi

Rejane F. Carpenedo: O Novo do Ano Novo!

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
32

No dia 31 de dezembro incontáveis corações ansiosos aguardam o ponteiro do relógio marcar meia-noite, como se nesse instante acontecesse alguma espécie de transformação automática na vida das pessoas. O momento costuma ser culturalmente preparado para isso: roupas brancas, decorações, ceia especial e detalhes afins que adornam a tão esperada “virada de ano”.

Nos primeiros instantes do Ano Novo, e às vezes até nos primeiros dias e semanas, parece que realmente houve uma mudança originada na simples troca do calendário anual. No entanto, passa-se mais algum tempo e muitos começam a sentir o peso da decepção ao ver que mais uma vez as velhas coisas parecem estar se repetindo: os mesmos problemas, as mesmas nuances circunstanciais, os mesmos “perrengues” do ano que se passou. E apesar de ser lamentável, é verdade.

Nada será realmente novo e diferente se tudo continuar sendo feito da mesma forma. Não existem grandes mudanças automáticas na nossa vida – sim, há situações que não dependem da nossa vontade, pois simplesmente acontecem, mas a forma que iremos reagir/agir diante destas situações é que irá significar a nossa história.

A essência daquilo que somos e daquilo que de nós ficará escrito por aqui depois do nosso tempo não se resume ao que acontece naturalmente em nossa vida, como a cidade de origem, filiação… Antes e acima de tudo, a nossa história é a história das nossas escolhas; é a história daquilo que fazemos no espaço temporal que nos foi concedido para viver.

Ao ser humano não foi dada a natureza de “coisa”, que consiste em sofrer passivamente a ação de outrem. E sim, a natureza de um ser agente, inteligente, constituído de matéria, alma e espírito, cuja narrativa de vida emerge de suas ações enquanto sujeito no tempo.

Diante disso, é vã a tentativa de justificar a própria inércia diante da vida. Os dias escoam ininterruptamente pela ampulheta dos anos, e marcá-los com uma verdadeira história que no porvir seja digna de ser contada é uma decisão que nos encara todas as manhãs ante o primeiro raio de luz.

 

Rejane Fiepke Carpenedo

02 de janeiro de 2024.

 

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter

últimas notícias

veja também

Leave A Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Shopping Basket